Os direitos autorais na era digital se tornam o centro da Assembleia Geral da CISAC 2017, em Lisboa

O artista visual Miquel Barceló foi eleito Vice-Presidente da CISAC por unanimidade

O Presidente da CISAC e CEO da SOCAN, Eric Baptiste, dirige-se aos delegados na Assembleia Geral da CISAC 2017.
Foto ©: Inacio Ludgero

Mais de 200 criadores e líderes da sociedade de gestão coletiva de todo o mundo reuniram-se em Lisboa, no dia 8 de junho, para participar da Assembleia Geral da CISAC 2017.

A assembleia geral incluiu relatórios e atualizações sobre as atividades da Confederação ao longo do último ano em nome dos 4 milhões de criadores representados por sociedades membros da CISAC.

A Assembleia foi aberta pelo Presidente da sociedade anfitriã SPAutores, José Jorge Letria. Um aclamado autor português e principal figura na cultura portuguesa contemporânea, Letria leu um poema de sua autoria para marcar a histórica visita da CISAC à sua cidade de Lisboa.

O Presidente da SPAutores, José Jorge Letria lê seu poema dedicado à visita histórica da CISAC a Lisboa.
Foto ©: Inacio Ludgero

PARA OUSARMOS CRIAR TUDO DE NOVO

Abre-se um livro
como se fosse uma janela virada para o mar,
ouve-se uma canção na festa serena
de um amor antigo,
chora-se defronte de um quadro
que tem asas de luz
para nos tocar o coração,
recorda-se um filme que tem a idade
das nossas alegrias indomáveis,
corre-se atrás da sombra de um homem livre
porque se sabe que ali nunca o medo há-de vencer,
ilumina-se um palco com o riso das crianças
que não se cansam de usar a palavra magia,
a mais rara e fantástica de todas as que amamos,
de todas as que queremos e sabemos partilhar.
Abre-se um sonho na página certa
de tudo o que tem para nos dizer.
É um sonho que abre os braços
para deixar voar os pássaros
que se aninham junto dos últimos parágrafos.
É um sonho que tem olhos
pousados sobre a comoção das ondas e dos sons,
é um sonho feito à medida da nossa pressa
de chegar ao último lugar que não tem dono.
É um sonho vagaroso e leve
como uma confidência de fada
murmurada no silêncio das noites
que se transformam no grande teatro desta vida.
É um sonho que pergunta: o que seria de nós
sem o milagre de tudo o que escrevemos, cantamos,
pintamos e inventamos enquanto as aves dormem
e os rios beijam as cidades na sua pressa de chegar ao mar ?
É um sonho que nos abraça como se quisesse dizer:
com esta muralha de livros, com esta orquestra de risos,
com esta imensa tela de cores rebeldes e nossas
ninguém será capaz de dizer aos filhos
que há portas fechadas entre eles e a felicidade,
que há muros de tristeza e insulto
entre eles e a alegria circular dos animais apaixonados.
Podem vir homens carregados de cinza,
mulheres vergadas pelo peso de temores ancestrais,
podem vir chicotes e balas, barreiras e gritos
que nada será mais forte e livre que um poema,
que o refrão de uma canção, que o beijo final
de um filme sem preço nem tempo,
de um nome igual ao dos deuses e dos mitos.
E então há-de ouvir-se uma voz livre e solta
no meio das obras que nos enchem os dias
e há-de perguntar: quem pode ter medo do mundo
no meio de tanta coisa bela
se aqui não há nada que nos doa ou nos fira,
não há nada que nos ameace ou nos tente calar ?
Quem se atreve a pedir aos relógios
que tenham a pressa infantil
de querer chegar onde só os sonhos chegam ?
Quem se atreve a pedir aos sonhos
que se esqueçam de quem os inventou?
Quem se atreve a pedir à arte que se afaste
para deixar passar os exércitos da
ambição sem fim, do castigo sem perdão ?
O que seria de nós, o que seria do mundo
se este livro se fechasse e todas as cores
se evadissem dos palcos, dos ecrãs e das telas
e do coração cantante das canções eternas ?
Ficaríamos muito mais pobres e tristes
à espera da luz de um pássaro que nos encantasse,
únicos, plenos e sempre crianças,
e nos deixasse mais confiante e livres
para ousarmos criar tudo de novo.
Porque é mesmo assim que vale a pena.

José Jorge Letria

Abril de 2017

Uma abordagem do Presidente do Conselho da CISAC e CEO da SOCAN, Eric Baptiste, lembrou a reunião do dia anterior com o Prefeito de Lisboa, Fernando Medina, que nos disse que a cultura não era uma linha do orçamento da cidade, mas um componente-chave da estratégia de Lisboa de ser uma das cidades mais competitivas e inovadoras do mundo.Apenas posso desejar que existam mais prefeitos como ele!

Baptiste homenageou o falecido Vice-Presidente da CISAC e escultor senegalês Ousmane Sow, bem como às vítimas do ataque terrorista ao show de Ariana Grande em Manchester. Falando antes de um momento de silêncio, Eric Baptiste disse: A arte é uma liberdade fundamental e uma atividade libertadora. Liberdade de pensamento, poder ser quem você quiser, gostar do que quiser é o propósito da criatividade e da atividade artística. Aqueles que miram em shows ou museus, como na Tunísia, em 2015, sabem que estão mirando nos próprios valores representados pela CISAC, suas sociedades membros e os milhões de criadores que representamos e defendemos.

Veja a galeria de fotos.

O Diretor Geral da CISAC, Gadi Oron, forneceu uma visão geral de um “ano excepcionalmente ativo”, que foi descrito no recém-publicado Relatório Anual CISAC 2017. O trabalho de defesa da CISAC é focado em suas três principais campanhas: a transferência de valor, a Campanha Audiovisual para a defesa do direito inalienável de remuneração dos roteiristas e diretores, e o Direito de Sequência dos Artistas Visuais. Em conjunto com o GESAC e CIAM, a CISAC vem aumentando a visibilidade global da campanha com a Europa no centro das atenções.

Oron disse que “a CISAC não pode carregar esse debate sozinha. São os nossos criadores que conferem potência e ressonância à campanha. Essa voz do criador nunca foi tão importante na transferência da discussão de valor quanto agora”. A Campanha Audiovisual, liderada por Roteiristas e Diretores em todo o mundo, obteve um progresso marcante, primeiramente na Argentina, Chile e, mais recentemente, na Colômbia. A campanha de Direito de Sequência dos Artistas Visuais, liderada pelo CIAGP, com o apoio a ADAGP e EVA, avançou na WIPO graças à Conferência Internacional sobre Direito de Sequência dos Artistas.

O Diretor Geral da CISAC, Gadi Oron, chama a atenção para a importância das vozes dos criadores em campanhas internacionais na Assembleia Geral.
Foto ©: Inacio Ludgero

O envolvimento com os governos também é fundamental para a CISAC e no alcance de sua missão para milhões de criadores. Oron chamou a atenção para as ações realizadas na China, principalmente uma reunião com os legisladores chineses e o Fórum Mundial dos Criadores, realizado em Pequim, no final de 2016. Uma reunião na Croácia, que também contou com a participação de funcionários de estado e CEOs da sociedade dos Balcãs – a primeira desse tipo na reunião – também recebeu destaque.

Construir parcerias também é chave, com novos relacionamentos colaborativos estendidos em 2016-17 com a ARIPO e a WIPO. As atividades de educação pública foram intensificadas com a CISAC University e o novo curso online “Exploring Copyright: History, Culture, Industry” (Explorando os Direitos Autorais: História, Cultura, Indústria). A CISAC está construindo seu status como uma autoridade mundial em áreas-chave de seu trabalho: com a manipulação de dados, incentivando os mais altos níveis de profissionalismo e boa governança entre as sociedades.

O trabalho da CISAC em Reforma da Governança e adesão foi descrito. As alterações aos Estatutos da CISAC, Regras Profissionais e Resoluções Vinculativas tem como objetivo melhorar a transparência e facilitar a conformidade por parte dos membros com as obrigações da CISAC.

Estas são votadas e aprovadas. Uma atualização às Revisões de Conformidade, que são executadas pela CISAC para ajudar a impulsionar as melhores práticas e conformidade entre as sociedades membro. A Secretaria da CISAC atualizou os participantes sobre as prioridades legais e políticas da Confederação, comitês técnicos e sistemas de tecnologia e informação.

Os Diretores Regionais da CISAC descreveram seus programas de trabalho e prioridades na África, Ásia-Pacífico, Europa, América Latina e Caribe.

Em nota de celebração, as sociedades foram apresentadas ao artista visual e novo Vice-Presidente da CISAC, Miquel Barceló. Em um vídeo pré-gravado, Miquel Barceló disse ter a honra de se juntar à CISAC e representar os milhões de artistas ao redor do mundo.

Miquel afirmou “Acredito que neste grande mundo estranho, a arte é uma das coisas que pode nos convencer de que um futuro é possível. É a única coisa que nos ajuda a existir e eu acredito que uma organização que representa 4 milhões de criadores em todo o mundo precisa de nosso apoio. A criação é uma das poucas coisas sem a qual não podemos viver”.

Uma mesa redonda especial, com o Presidente da CISAC, Jean-Michel Jarre, e Presidentes dos conselhos de criadores da CISAC Hervé di Rosa, Yves Nilly e Lorenzo Ferrero, teve como foco as principais campanhas da CISAC e dos Conselhos de Criadores. Os temas incluíram as dificuldades enfrentadas por criadores no mercado digital, o progresso da campanha Fair Trade Music, o otimismo renovado da campanha do direito de revenda, o sucesso espetacular da campanha audiovisual na América Latina contrastada pela aparente falta de apoio de MEPs na votação do dia anterior do Pacote de Direitos Autorais da UE pelo Comitê IMCO do Parlamento Europeu; a necessidade urgente de influenciar as mudanças no quadro legislativo. Jarre pediu maior foco em atividades de lobby e conscientização.

A mesa redonda dos criadores, incluindo o Presidente do CIAGP, Hervé di Rosa, o Presidente da W&DW, Yves Nilly, o Presidente da CISAC, Jean-Michel Jarre e o Presidente da CIAM, Lorenzo Ferrero.
Foto ©: Inacio Ludgero

A Assembleia Geral também recebeu uma forte mensagem de apoio do governo português. O autor Fernando Pinto do Amaral, representando o Ministro da Cultura Português, Luís Filipe Castro Mendes, disse que seu governo está empenhado na “implementação de uma política que defenda, valorize e dignifique os nossos autores e promova seus trabalhos em Portugal e no mundo… uma política que promova respeito pelos criadores e valorize a criação. Apenas com essa política o futuro da cultura pode ser construído da forma que acreditamos”.

Em um discurso de encerramento, o aclamado músico eletrônico e Presidente da CISAC, Jean-Michel Jarre, pediu que todos os tomadores de decisão política vejam a cultura como a força motriz por trás do mundo digital. Chegando da Cidade de Nova York e sua recente tour, Jean-Michel Jarre agradeceu a SPAutores por hospedar o mundo da gestão coletiva em Lisboa e elogiou seu trabalho de criação de uma rede de sociedades lusófonas na África.

O Presidente da CISAC, Jean-Michel Jarre com o Presidente da CISAC e CEO da SOCAN, Eric Baptiste.
Foto ©: Inacio Ludgero

 

O Presidente da CISAC, Jean-Michel Jarre, agradece aos “nossos amigos” SPAutores por sediar a Assembleia Geral.
Foto ©: Inacio Ludgero

Os esforços incansáveis da CISAC ajudaram a colocar a questão da transferência de valor no topo da agenda criativa, disse Jarre. Esse é “o maior problema da nossa era para os criadores. A maior injustiça em suas vidas de trabalho e a maior falha na economia criativa”. “Se nos importamos com as gerações futuras de criadores, devemos trabalhar para ter mais fluxos de receitas vindo do mercado digital”, acrescentou.

Jean-Michel Jarre pediu um direito universalmente irrenunciável à remuneração para autores audiovisuais. A Argentina, o Chile e a Colômbia “nos mostraram o caminho” para esta adoção universal. Por fim, o Presidente da CISAC enfatizou que os artistas visuais “começaram a abrir a porta na WIPO e impulsionar uma causa digna” para a adoção internacional do direito de sequência.

Jean-Michel Jarre fez um apelo final aos Delegados da Assembleia Geral: A era digital foi boa para os criadores, trazendo oportunidades sem precedentes, disse. Mas, na realidade, devemos reconhecer que a economia digital é a “economia cultural” alimentada pelos criadores. Entretanto, são os geradores de receita em massa do mundo digital, e não os criadores, que estão recebendo os benefícios ou a participação em valor. Ainda entregou a mensagem final: “A revolução digital deve ser uma revolução dos criadores. Vamos fazer com que cada formulador de políticas e tomador de decisão entenda isso.”

A Assembleia Geral da CISAC 2018 será realizada em junho de 2018 em Varsóvia, na Polônia.

 

Com o firme apoio de

LATINOAMÉRICA

Aliança de Diretores Audiovisuais Latinoamericanos

Sociedades que avalizam com acordos recíprocos os Diretores Brasileiros de Cinema e do Audiovisual

CHILE

Sociedade de Autores Nacionais de Teatro, Cinema e Audiovisuais

ARGENTINA

Associação Geral de Diretores Autores Cinematográficos e Audiovisuais

COLÔMBIA

Diretores Audiovisuais Sociedade Colombiana

MÉXICO

Sociedade Mexicana de Diretores-Realizadores de Obras Audiovisuais,

IMPORTANTE APOIO DAS SOCIEDADES LATINO-AMERICANAS E EUROPEIAS

DAMA (logo) Derechos de Autor de Medios Audiovisuales Ver carta de apoio

SACD (logo) Société des Auteurs et Compositeurs Dramatiques Ver carta de apoio

Directors UK (logo) Directors UK
Ver carta de apoio

ADAL (logo) Alianza de Directores Audiovisuales Latinoamericanos Ver carta de apoio

DAC (logo) Directores Argentinos Cinematográficos Ver carta de apoio

Writers and Directors (logo) Writers & Directors Worldwide
Ver carta de apoio

ATN (logo) Sociedad de Autores Nacionales de Teatro, Cine y Audiovisuales Ver carta de apoio

Directores México (logo) Directores México
Ver carta de apoio

SGAE (logo) Sociedad General de Autores y Editores
Ver carta de apoio

SIAE (logo) Società Italiana degli Autori ed Editori
Ver carta de apoio


Rua Alcindo Guanabara, 15, sala 1201 - Centro - Rio de Janeiro - RJ - CEP 20031-130, Brasil. Ver mapa

© 2015 DBCA / Diretores Brasileiros de Cinema e do Audiovisual /   Tel.: +55 (21) 97995 0087 / 0800 882 1884 (Chamadas Gratuitas)
  contato@diretoresbrasil.org

W3C / javascript / 1280x720 / Problemas com o site? webmaster@diretoresbrasil.org