Em Veneza, Sylvio Back representa a DBCA no Congresso da W&DW – leia o discurso na íntegra

Da esquerda para direita, Adriana Moscoso del Prado Hernández, diretora de assuntos legais e jurídicos da CISAC; José Jorge Letria, presidente da SPAutores (Portugal); Clara Rojas, deputada da Colômbia; Fabia Buenaventura, SGAE (Espanha), gestora de direitos autorais (moderando os debates); Sylvio Back, presidente da DBCA (Brasil); e Cheick Oumar Sissoko, cineasta (Mali), secretário geral da FEPACI (Federação Pan Africana de Cineastas)
Foto: Margit Richter e DAC

Mirando o Futuro

É tão emblemática quanto perversa a expressão “Brasil, país do futuro”, cunhada a partir do título de livro de Stefan Zweig, publicado em 1941, desde então uma espécie de epíteto às avessas da nação em que o futuro jamais chegaria! Falo com conhecimento de causa: sou autor do longa-metragem, “Lost Zweig”, sobre o famoso escritor judeu austríaco, que se suicidou no Brasil durante a II Guerra Mundial.

Na iminência de diretores e roteiristas brasileiros de cinema/ televisão, documentários e animação, além de intérpretes e dubladores, receberem explícita autorização do Ministério da Cultura do
Brasil para arrecadar e distribuir direitos autorais e conexos cobrados dos emitentes (redes de televisão aberta e por assinatura, cinemas e distribuidores de filmes, concessionários de telefonia móvel e suportes digitais, como streaming e nuvens de armazenamento de dados, etc.) – nosso audiovisual respira fundo e se garante, podendo afirmar que, sim, o futuro, finalmente, é motivo de esperança e êxito anunciado.

Essas alvíssaras se devem por coincidirem com o inédito ideário coletivo, fruto de salutar harmonização agenciada pela DBCA (Diretores Brasileiros de Cinema e do Audiovisual) envolvendo todos os setores da atividade: a efetiva e pontual cobrança unificada dessa prevalência moral e pecuniária junto aos difusores, conciliando interesses jurídicos, institucionais e tecnológicos de que cada ente é inescapável detentor.

Trata-se, portanto, da materialização de proposta revolucionária com que a DBCA toma a dianteira no processo da equitativa remuneração do direito autoral por estar aderente às práticas conveniais de reciprocidade da CISAC (Confederação Internacional das Sociedades de Autores e Compositores) e da ADAL (Aliança de Diretores Audiovisuais Latinoamericanos, composta por Argentina, Brasil, Chile, Colômbia e México) – ambas azimute proverbial e histórico do respeito à dignidade do criador.

Após décadas em que os músicos, nossos parceiros na poética do audiovisual, estarem navegando nessa modernidade, eis que roteiristas e realizadores de todas as tribos estéticas, éticas e políticas, estão na soleira de sua alforria civilizatória.

Já não é sem tempo que venha à tona essa defasagem entre os direitos assegurados no Brasil aos autores de obras musicais e os direitos devidos aos criadores audiovisuais, demandando a imediata equiparação para que tal injustiça financeira seja reparada.

Diretores e roteiristas brasileiros não estamos sozinhos! A destacar que, neste inaudito périplo da DBCA para seu reconhecimento institucional pelo Ministério da Cultura do Brasil, contamos com o irrestrito apoio e prestígio de 239 organizações similares de 123 países dos cinco continentes nucleados em torno da CISAC e da ADAL, como nós, intransigentes defensores pela justa cobrança de direitos autorais de obras de qualquer repertório que tenham comunicação pública.

Esse gigantesco passo significa ascender a um patamar virtuoso que vigora a toda em inúmeros países da América Latina, Canadá, Europa/leste, Oriente Médio e Ásia/Pacifico: o incontornável pagamento do pertinente direito autoral a quem assina obra audiovisual disponibilizada em qualquer mídia digital ou não digital.

São milhões de Euros e dólares represados que, doravante, à medida que foram assinados os contratos de reciprocidade com sociedades coirmãs arrecadadoras de direitos autorais, todo
um ativo a ser repatriado se converterá num fabuloso patrimônio apto a transformar inteiramente a economia criativa do país, tanto junto aos autores quanto a otimizar o desenvolvimento artístico-cultural nacional.

Foto: DAC – Directores Argentinos Cinematográficos

Leia também:  Brasil Reafirma na Itália sua Intransigente Defesa do Direito Autoral

Uma fortuna de dinheiro privado ora engessada e contingenciada no exterior e anseio de centenas de criadores brasileiros – diretores, roteiristas, intérpretes e dubladores –, seus inelutáveis e legítimos proprietários, a grande maioria, hoje, vivendo e sobrevivendo à míngua!

Se direito autoral é o salário do criador, por extensão, é igualmente mercado no seu mais lídimo sentido, pois um não sobrevive sem a produção do outro, além de primevo direito humano e parte indissociável de sua anima, hegemonia holística reconhecida desde o século XVIII pelos Iluministas.

Soberbo bem imaterial inscrito na Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU (1948), intransferível e irrenunciável por natureza, o que lhe confere a categoria de riqueza única da pessoa, é dele que precisam os criadores através da correta remuneração quando transformados em obras e levados ao consumidor final. Nunca antes, como nos dias que correm, autores foram e continuam tão impunemente assaltados por tanto tempo e por tantos usuários.

Sabemos que o criador é o epicentro dos direitos autorais da sua criatura, da elaboração à veiculação e fruição públicas em qualquer suporte horizontal ou vertical, eletrônico ou de manuseio físico. Pois nessa horrível quadra de intensa e extensa pirataria de conteúdos on line, a inestimável autoridade moral do autor é o DNA totalizante da obra, eixo da questão maior, nesta hora, absolutamente premente.

É inaceitável continuar tolerando esse escandaloso evento de lesa-pátria cultural, institucional e financeiro, uma ilicitude declarada e escancarada dia e noite em todas e por todas as mídias existentes.

Como sublinha a deputada Clara Rojas, da Colômbia, a supressão de seu pagamento é um ultraje aos direitos humanos: direito autoral é direito humano. Ao que o jurista chileno, Santiago Schuster enfaticamente aduz: “Criadores sem direitos autorais é o mesmo que cidadãos sem direitos políticos”.

O Brasil, pela voz ativa da DBCA, sim, às vésperas de homenagear seu gigantesco parque audiovisual com a cobrança e distribuição de direitos autorais no Brasil e no exterior através de uma arrecadadora única, confirma sua solidariedade a todos os criadores do mundo.

Para tanto, desde já reitera seu inabalável compromisso de continuar apoiando todos os esforços políticos, institucionais e tecnológicos promovidos pela CISAC, através da Writers & Directors Worldwide, e pela ADAL, conjunto de entidades cuja ingente e coletiva atuação aponta para a definitiva redenção planetária dos nossos sagrados direitos autorais. Muito obrigado.

Fotos: DAC – Directores Argentinos Cinematográficos

 

 

Com o firme apoio de

LATINOAMÉRICA

Aliança de Diretores Audiovisuais Latinoamericanos

Sociedades que avalizam com acordos recíprocos os Diretores Brasileiros de Cinema e do Audiovisual

CHILE

Sociedade de Autores Nacionais de Teatro, Cinema e Audiovisuais

ARGENTINA

Associação Geral de Diretores Autores Cinematográficos e Audiovisuais

COLÔMBIA

Diretores Audiovisuais Sociedade Colombiana

MÉXICO

Sociedade Mexicana de Diretores-Realizadores de Obras Audiovisuais,

IMPORTANTE APOIO DAS SOCIEDADES LATINO-AMERICANAS E EUROPEIAS

DAMA (logo) Derechos de Autor de Medios Audiovisuales Ver carta de apoio

SACD (logo) Société des Auteurs et Compositeurs Dramatiques Ver carta de apoio

Directors UK (logo) Directors UK
Ver carta de apoio

ADAL (logo) Alianza de Directores Audiovisuales Latinoamericanos Ver carta de apoio

DAC (logo) Directores Argentinos Cinematográficos Ver carta de apoio

Writers and Directors (logo) Writers & Directors Worldwide
Ver carta de apoio

ATN (logo) Sociedad de Autores Nacionales de Teatro, Cine y Audiovisuales Ver carta de apoio

Directores México (logo) Directores México
Ver carta de apoio

SGAE (logo) Sociedad General de Autores y Editores
Ver carta de apoio

SIAE (logo) Società Italiana degli Autori ed Editori
Ver carta de apoio